Terra Viva

A Rede Terra Viva surgiu no ano de 2005, Luciana, Caetano e Cláudio, três moradores do Bairro de Santa Tereza, decidiram buscar quem pudesse lhes garantir o fornecimento de alimentos saudáveis. Naquela época, na cidade, a oferta desse tipo de alimento ficava, quase sempre, restrita a algumas poucas prateleiras de supermercados. Os três consumidores, incluindo  também alguns de seus  amigos e familiares, conseguiram combinar a entrega regular de cestas de produtos agroecológicos com um grupo pequeno de produtoras e produtores. 

A Rede manteve este modo de funcionar até o ano de 2007, quando evoluiu para a Feira Terra Viva. Abrigando-se no quintal de uma casa no bairro Santa Tereza a feira funcionava uma vez por mês. Esse formato  foi crescendo e estruturando-se até tornar-se uma feira semanal. 

Hoje a FEIRA TERRA VIVA acontece todos os sábados em nossa Sede – Rua Pouso Alegre, 1911 – Santa Tereza. A rede conta com mais de 30 produtores selecionados dentro dos moldes e filosofia do grupo. Eles oferecem ao consumidor alimentos para quem busca cuidar da saúde. Com opções de produtos para vegetarianos, veganos e pessoas com restrições alimentares (produtos sem lactose, sem glúten). Legumes, frutas e verduras orgânicas. Produtos de limpeza e higiene pessoal naturais e que não fazem testes em animais. Uma ampla variedade de itens produzidos com amor que respeitam a natureza.

Uma Feira com 10 anos de tradição

A FEIRA TERRA VIVA é um ponto fixo de comercialização da Economia Solidária, uma forma diferente de comercialização, que tem o objetivo oferecer produtos e serviços sem explorar o outro, sem querer levar vantagem, sem destruir o ambiente. Cooperando, fortalecendo o grupo, cada um pensando no bem de todos. A economia solidária vem se apresentando, nos últimos anos, como inovadora alternativa de geração de trabalho e renda e uma resposta a favor da inclusão social.

A REDE TERRA VIVA propõem não apenas uma feira de comercialização de produtos orgânicos. Temos um trabalho de fomento cultural e social, trabalho de incentivo e qualificação da produção agroecológica, articulação política visando a preservação do meio ambiente. Enfim, a busca de uma nova forma de comercializar, de consumir e principalmente de tratar o consumidor como parceiro, conscientizando-o para não ser apenas um consumidor, mas torná-lo agente ativo na construção de um mundo melhor.